quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Concurso Rio de Janeiro 2010 – 100 vagas para Agente Educador

  CORRA PORQUE É ATÉ SEGUNDA FEIRA!

 
A Prefeitura do Rio de Janeiro (RJ) abriu Concurso Público com a oferta de 100 vagas para a função de Agente Educador II de nível fundamental. O salário será de R$ 560,27, acrescido de auxílio-transporte de R$ 103,40 e encargo especial de R$ 84,04.

A taxa a ser paga pela inscrição custa R$ 30,00.Os candidatos podem efetuar sua inscrição através do site concursos.rio.rj.gov.br no período de 31 de agosto a 13 de setembro de 2010.

Este Concurso Público será realizado por meio de prova objetiva. As datas, locais e horários das provas serão informados no Diário Oficial do Município e no site da Prefeitura do Rio de Janeiro, em data oportuna.

Para ler o Edital clique aqui.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Analfabetos são mais que o dobro dos universitários

São 6,5 milhões de alunos nas faculdades, contra 14,1 milhões de pessoas que não sabem ler

O Brasil tem mais que o dobro de pessoas analfabetas (14,1 milhões) do que universitários (6,5 milhões), segundo dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) divulgados nesta quarta-feira (8). Enquanto os analfabetos são 7,3% da população total (191,7 milhões), os universitários são somente 3,4%.
O Sudeste é a região com o maior número de universitários - eles são 2,9 milhões ou 44,6% do total. O Nordeste fica em segundo lugar, com 1,3 milhão de alunos ou 20%. Juntas, as duas regiões respondem por quase 65% das matrículas em universidades no Brasil.

O grande número de faculdades privadas é um dos motivos para a desigualdade. Elas são quase dez vezes mais numerosas do que as universidades públicas, segundo dados do censo da educação superior divulgados no ano passado pelo MEC (Ministério da Educação).

Sete vezes mais

O número de alunos no ensino fundamental e médio (44 milhões) é sete vezes maior que o de universitários no Brasil. O dado levanta a hipótese de que boa parte dos estudantes do antigo 1º grau e do colegial no passado interromperam os estudos e não chegaram a entrar nas universidades.
Ainda assim, os formados nas universidades estão aumentando. O número de pessoas com diploma universitário cresceu 2,5% entre 2004 e 2009. No ano passado, 11,9 milhões deles terminaram a faculdade.

A maioria da população na faixa dos 25 anos, entretanto, tem nível escolaridade equivalente ao ensino fundamental incompleto - é como se tivessem abandonado a escola na 6ª ou 7ª série. São 41, 4 milhões de pessoas que não chegaram nem ao ensino médio.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Inscrição para os cursos do Prominp


inscrição
As inscrições para o 5º ciclo do Plano Nacional de Qualificação Profissional do Prominp vão até 12 de setembro e podem ser feitas clicando aqui, nos postos de inscrição listados no Edital ou nos postos de inscrição adicionais
.
O edital oferece cerca de 28 mil vagas em 13 estados do país: 
Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Sergipe e São Paulo. 

A taxa de inscrição é de R$ 24 para nível básico, R$ 40 para níveis médio e técnico e R$ 60 para nível superior.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

UFF DECIDE SOBRE CURSOS PAGOS

Entre 30 de agosto e 3 de setembro, estudantes, professores e servidores da Universidade Federal Fluminense decidirão sobre a gratuidade do ensino publico. 

O Plebiscito será o primeiro a ser realizado em uma universidade publica e contará também com o primeiro processo formal com voto universal em uma universidade. Professores, servidores e estudantes, com igual poder de voto, decidirão sobre a existência dos cursos pagos. 

E porque o plebiscito? Apesar de pública, a Universidade Federal Fluminense tem vários cursos de pós-graduação latu-sensu (especialização, que não são mestrado e doutorado) que são pagos. Esses cursos, cujas mensalidades, que variam entre R$190 e R$1.800, vêm sendo implementados na UFF há vários anos, sem a menor discussão com a comunidade acadêmica. Hoje a maior parte das pós-graduações da UFF são pagas e há cursos onde não há opção de pós gratuita. No ano passado, por proposta do movimento estudantil foi aprovada no Conselho Universitário (instância máxima de deliberação da UFF) a realização do Plebiscito, que deve ser um espaço de debate e decisão democrático da comunidade acadêmica sobre esses cursos.
 
Professores, estudantes e servidores tem se mobilizado na campanha pela gratuidade em todos os níveis de ensino.
 
Por que? 

1)       Porque os cursos pagos são ilegais. A Constituição Federal e a LDB instituem que ensino publico deve ser gratuito. Com base nesse argumento, o Ministério Público interveio na UFRGS (Rio Grande do Sul) e decretou a extinção dos cursos pagos que existiam lá.
 
2)       Porque com curso pago o estudante paga duas vezes. Todos nós pagamos impostos (altíssimos), o que deveria garantir o direito à educação publica, conforme a constituição. 

3)       Porque apenas 1,5 % do orçamento da UFF é composto pela receita desses cursos, e, no entanto, o impacto dos mesmos constrói uma lógica de privatização da universidade aos poucos, por dentro. 

4)       Porque vários professores em regime trabalhista de dedicação exclusiva (DE) dão aula nos cursos de pós-graduação latu-sensu pagos, o que é ilegal. 

5)       Porque vários departamentos têm deixado de abrir pós-graduações gratuitas e outros vários só têm pós-graduações pagas (Turismo, por exemplo). Os cursos pagos devem ser avaliados e incorporados à UFF gratuita, como ocorreu, por exemplo, na Faculdade de Enfermagem da UFF, que tinha 4 cursos de pós-graduação pagos e hoje têm apenas um, que deve ser incorporado em breve.
 
6)       Porque os cursos pagos têm implementado uma lógica de interesses privados na universidade, na qual um grupo de professores, a partir desses cursos, tem usado a universidade para lucrar milhões.
 
7)       Porque a FEC (Fundação Euclides da Cunha), gestora dos cursos pagos não presta contas e é o centro do que existe de corrupção na UFF, que hoje é investigada pelo Tribunal de Contas da União e pelo Ministério Público por improbidade administrativa, uso de caixa dois, etc...
 
No Plebiscito, que alterará o estatuto da UFF no que tange à gratuidade na UFF, será feita a seguinte pergunta:
 
Há divergências entre os textos:
 
Da estatuinte (Artigo 3º - “A UFF será regida pelos seguintes princípios: III- da natureza pública e gratuita do ensino, sob responsabilidade da União; ...); (EM DEFESA DA GRATUIDADE EM TODOS OS NÍVEIS DE ENSINO)
 
Da comissão de sistematização do Conselho Universitário (Artigo 2º, §2º - o princípio da gratuidade do ensino aplica-se aos cursos de graduação e de pós – graduação stricto sensu – mestrado e doutorado.). (SÓ GARANTE A GRATUIDADE PARA GRADUAÇÃO, MESTRADO E DOUTORADO)
 
 
VOCÊ CONCORDA QUE DEVA PREVALECER O TEXTO DA ESTATUINTE?

(X)SIM (POR UMA UFF 100% GRATUITA!)
(   )NÃO


 
O Comitê pela Gratuidade na UFF, que reúne professores, estudantes e servidores, se reunirá nesta quinta, as 18h no Bandejão do Campus Gragoatá. Esse será um espaço importante para tirar dúvidas sobre o plebiscito e se incluir na campanha do SIM por uma UFF 100% gratuita!
 
30 e 31 de agosto e 1 de setembro: Plebiscito nos campi da UFF em Niterói
2 e 3 de setembro: Plebiscito nos campi da UFF no Interior (Angra dos Reis, Volta Redonda, Campos, Quissamã, Macaé, Rio das Ostras, Pádua, Mirac

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Deficiente: você ainda vai ser


O Ministério do Desenvolvimento Social fez uma pesquisa com 190 mil famílias que recebem o Benefício de Prestação Continuada, porque têm em casa criança ou jovem com deficiência intelectual ou física.
Ele só é pago a famílias com renda per capita inferior a um quarto do salário mínimo, ou R$ 127,50. 

Descobriram que quase um terço dos meninos, 32%, não frequenta escola.
Razões alegadas: 53% dos pais consideram que o filho não tem condições de aprender, 10% temem que ele seja discriminado, 9% temem violência, 13% não têm quem leve ou acompanhe o filho até a escola.

Muita gente não sabe que é direito de todos os deficientes a matrícula em escola regular. É a posição do Ministério da Educação e de muitas entidades representativas.
Claro que o governo defende a inclusão, mas não viabiliza o cumprimento da regra, como de costume.

Parece esquisito em princípio, você botar um moleque cego, surdo ou com paralisia cerebral na classe com crianças “normais”. E é mesmo.

Como o professor vai dar a atenção necessária para quem tem necessidades especiais, sem descuidar das necessidades dos outros?
E se tiver surdo na sala, precisa sempre ter um intérprete que conheça LIBRAS, a linguagem brasileira de sinais? E se for cego, lê livro em braille?

No final, todo mundo vira deficiente. Vai apagando velinha, vai ficando surdinho, cegueta, manquitola, e vai que vai. Para escapar, só morrendo jovem.

E bem antes do final, a gente já começa a conviver com as deficiências conforme nossos avós e pais vão envelhecendo.
Se você pensa que é dureza ser pobre, ou deficiente, não faz ideia do que é ser deficiente pobre.

As Dez Leis da Simplicidade


É um livro interessante, escrito pelo designer, crânio do MIT, “guru da simplicidade”, diretor da Rhode Island School of Design e, ufa, artista plástico, John Maeda.
Das dez, nove são muletas boas para o trabalho cotidiano. A última, a única, é chave. Use e abuse.

DEZ LEIS
1 - REDUZIR - A maneia mais simples de alcançar a simplicidade é por meio de uma redução 
conscienciosa.

2 - ORGANIZAR - A organização faz com um sistema de muitos pareça de poucos.

3 - TEMPO - Economia de tempo transmite simplicidade.

4 - APRENDER - O conhecimento torna tudo mais simples.

5 - DIFERENÇAS - Simplicidade e complexidade necessitam uma da outra.

6 - CONTEXTO - O que reside na periferia da simplicidade é não-periférico.

7 - EMOÇÃO - Mais emoções é melhor que menos.

8 - CONFIANÇA - Na simplicidade nós confiamos.

9 - FRACASSO - Algumas coisas nunca podem ser simples.

10 - A ÚNICA: A simplicidade consiste em subtrair o óbvio e acrescentar o significativo.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Amigos e Seguidores.

Um estudo americano diz que a cada 7 anos um individuo comum renova em torno de 50% do seu ciclo de amizades. Ou seja, a cada 7 anos você perde metade de seus amigos.
As redes sociais foram criadas para, se não manter as amizades, pelo menos manter o contato. Não temos mais convivência com todos os amigos que já fizemos pela vida, mas pelo menos dá para acompanhar seus updates de status no facebook, quando terminam ou começam relacionamentos, fotos de aniversários, casamentos, filhos, férias nas praias, notícias ou simplesmente percepções sobre a vida.
E de uma hora para outra, você não mais convive com seus amigos, mas sim começa a segui-los. Não é perfeito, mas sem dúvida é melhor do que nada. Ontem mesmo encontrei com uma amiga que não via há mais de 15 anos que sem dúvida não teria me reconhecido, e vice-versa, se não tivesse acompanhando as mudanças das fotos do meu perfil no decorrer dos anos.
Se isso é bom ou ruim, não sei. Por um lado mantemos contato eterno com quem te quer bem e que está longe por questões da vida, por outro lado nos rendemos a comodidade da leitura fácil dos updates e deixamos de marcar um simples almoço que seja.
Também existe o efeito contrário. Followers que tornam-se amigos. E neste caso, pelo menos no meu caso, o que desperta a afinidade é muito mais o que a pessoa pensa, sua visão de mundo e a forma que leva a vida, do que de fato os updates e as novidades na vida social. Descobri, e re-descobri, grandes amigos através do meu twitter, facebook, msn, etc.
De uma forma ou de outra, as redes sociais vieram para fortalecer um dos maiores patrimonios que qualquer um pode ter na vida, seus amigos.

Político devia fazer programa na rua, isso sim!

Nada desmoraliza mais a classe política do que o horário eleitoral gratuito. É o ultimo degrau. O porão. Esgoto a céu aberto. Vergonha nacional.
Tirem as crianças da sala! Devia passar só de madrugada, para maiores de 28 anos, em canal fechado. É pornográfico. O Ministério da Justiça não vai tomar nenhuma providência?
Se é esse o preço que devemos pagar pela democracia, melhor dar um calote. Veja se nos Estados Unidos existe algo assim. Lá, se Mr. Tiririca quiser desfilar suas piadas ignorantes tem que pagar. E bem. Político compra espaço na TV como qualquer anunciante, afinal, são todos produtos. A maioria, com prazo de validade vencido.
São 20 mil candidatos em todo o país.  É muito picareta para cavar o fundo do poço. Duas vezes por dia, 50 minutos cada? Seria uma lavagem cerebral, se alguém assistisse. Com muito esforço, conseguimos dar uma olhada. Até a Voz do Brasil é menos insuportável.
Se existisse algum político realmente sério, estaria propondo o fim desse suplício. Alô digníssimos senhores e senhoras que tomarão posse em 2011: acabem com isso pelo bem da própria categoria. Porque horário eleitoral gratuito só pode ter sido obra de sabotagem. Coisa da CIA ou do Talibã.
Ficar vendo a escória que quer entrar para a política é um desserviço. Impor esse caríssimo desfile de horrores é pedir para ninguém ter vontade de votar. E aumentar as vendas de Dramin, Engov, Sal de Fruta e Sonrisal. Porque não dá para levar a sério.
Os bons, se é que existem, afundam na mesma lama. Não há debate nem esclarecimento. No máximo, o ilusionismo dos marqueteiros, esses parasitas ordinários.
Quando as urnas forem computadas em outubro, não haverá surpresas. Continuaremos reféns dessa gentinha oportunista e patética. Por enquanto, ao menos eles são engraçados. A tragédia vem depois.
Mas eles que arrumem outros patrocinadores. Os grandes empresários que corrompem nossa República não gostam de aparecer no rádio e na TV. São profissionais.
Não precisamos ficar vendo seus intermediários blasfemando na nossa cara. Se desligamos os aparelhos quando eles surgem, para que tanto desperdício? Vão fazer programa na rua, pô!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

A febre que mata rinocerontes

ATENÇÃO:  ESTE TEXTO CONTÉM IMAGENS FORTES DE MUTILAÇÃO ANIMAL
Você sabia que alguém que sente uma simples febre ou dor de cabeça na China, no Vietnã ou na Coreia pode ser responsável pela matança de milhares de rinocerontes africanos? É a mais pura e dura realidade. A crença em muitos países asiáticos de que o chifre desses animais tem o poder de cura está movimentando altas somas em dinheiro no mercado clandestino.

Os curandeiros desses países vendem a falsa ideia de que remédios feitos à base do material pode curar dezenas de doenças. A divulgação dessa crença teve início há décadas. Ainda nos anos70, mercenários asiáticos se armaram com fuzis kalashnikovs e se embrenharam na savana do Zaire, exterminando quase que 100% das espécies.
O mesmo ocorreu em Camarões, Chade, Sudão, Somália e Etiópia. O problema atingiu todo o continente. Em alguns países, como no Zimbabwe, autoridades capturaram os animais e arrancaram seus chifres, para torná-los sem atrativos aos caçadores.
Só neste ano, mais de 150 espécies foram mortas na África do Sul. É a maior média já registrada nos últimos 50 anos. Notícia mais que preocupante no país que tem como uma das principais atividades econômicas o turismo ambiental. O país dos Safáris corre o risco de, a médio prazo, ver diminuir os dez milhões de turistas anuais que desembarcam na África do Sul para conhecer a fauna local.
Um rinoceronte adulto chega a pesar duas toneladas e meia. E cada vez que um deles morre, deixa a situação dos filhotes seriamente comprometida porque os bebês são muito dependentes dos pais. Ecologistas estimam que há vinte anos existiam no continente africano entre 60.000 e 70.000 espécies. Hoje são apenas cerca de 3.000.

Para se ter uma noção do que motiva os caçadores, basta saber que em Chengdu, capital da província de Sichuan, na China, um comerciante paga o equivalente a R$ 7 mil quilo de chifre de rinocerontes. É isso mesmo, eu escrevi “sete mil reais”. Tanta grana deixou eufóricos contrabandistas e caçadores da África do Sul, Zimbabwe e Moçambique.
Não precisa ser expert para entender a matança dos animais. Imagine o faturamento dos comerciantes e contrabandistas se apenas uma pequena parte da população de mais de 1 bilhão e 200 milhões de chineses recorrerem aos “remédios” sempre que tiverem uma febrezinha.
Os bandidos são experientes e dispõem de equipamentos modernos. Durante o dia eles sobrevoam parques nacionais e reservas privadas de helicóptero. À noite, munidos de binóculos e espingardas com miras de visão noturna, os caçadores retornam ao local onde as manadas foram vistas mais cedo e dão início à execução.
O resultado chocante pode ser visto nas fotos divulgadas pela Rhino & Lion Reserve, a 50 km de Johanesburgo. Ed Hern, proprietário do local, faz um apelo: “precisamos lançar uma campanha internacional na mídia e desmentir o poder medicinal dos chifres de rinocerontes”.

O governo informou que no ano passado investiu mais de um  milhão de Reais no reforço da segurança de Parques Nacionais, como o Krugger Park, por exemplo. Mas pelo número de mortes divulgado até agora, é fácil perceber que os esforços estão aquém do necessário. Ambientalistas cobram do governo do presidente Jacob Zuma que trate o assunto por meios diplomáticos.
Só que especialistas nas  relações diplomáticas entre ambas as nações não acreditam nesta hipótese. Dizem que a África do Sul tem uma estranha relação de submissão à China. No ano passado, o pessoal do Union Buildings, sede do governo, em Pretória, chegou a proibir a visita do Dalai Lama à África do Sul, durante um encontro internacional. Tudo para não aborrecer os burocratas de Pequim.

sábado, 21 de agosto de 2010

O que o Brasil Precisa Saber - José Serra

São Paulo
José Serra

José Serra, em seu Governo pelo Estado de São Paulo, apesar de ter sido eleito em primeiro turno e com grande maioria de votos, foi muito criticado por sua política, que na visão de seus críticos, estaria inibindo o Meio Ambiente Poluído, tema muito relevante nos dias de hoje, pela qualidade de vida que oferece a população. O acidente do Metrô e os decretos polêmicos sobre universidades públicas, custaram-lhe muitas críticas e ameaças da oposição e estudantes que lutavam pela manutenção orçamentária da Universidade e pela revogação dos decretos que ameaçavam a autonomia desta. Seu Governo foi marcado por fortes investimentos na área pública e de produção. Na atualidade, como é do seu feitio, está novamente envolvido numa disputa eleitoral. Primeiramente visando à indicação de seu nome para disputar em 20l0 as eleições presidenciais, tendo como oponente dentro do partido, o Governador de Minas Geral, muito ligado ao PMDB, Aécio Neves, por seus laços de família, neto de Tancredo Neves, tem o apoio informal do PMDB. 

ENEM 2010 será impresso pela mesma gráfica de 2009

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) acertou os detalhes do contrato com o consórcio Cesgranrio/Cespe que fará a aplicação e correção das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Para assinar o contrato, o Inep terá de esperar a publicação do extrato de dispensa de licitação prevista para esta sexta-feira (20) no Diário Oficial da União.
Depois da publicação da dispensa da licitação, o contrato deve ser assinado nos próximos dias, segundo a assessoria de imprensa do Ministério da Educação.
O valor do serviço que será prestado pelo consórcio Cesgranrio/Cespe corresponde a R$ 27,87 por estudante inscrito, 28% a mais em relação ao ano passado. O Inep afirmou que o aumento se deve, sobretudo, à ampliação do número de inscritos neste ano, reforço na contratação de pessoal que funcionará como apoio nas unidades de aplicação e atualização monetária.
O Enem 2010 terá os mesmos moldes do exame aplicado no ano passado. Os Correios, cujo contrato já foi assinado, ficarão responsáveis pela distribuição das provas. Policiais militares, federais e as Forças Armadas estarão encarregadas da segurança no deslocamento das provas, segundo o Inep.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

As Migalhas e o Filé da Educação Brasileira

O discurso de esquerda sempre bradou por educação pública e gratuita para todos. Sou contra. É um absurdo rico estudar de graça. Um roubo. Ver playboy estacionando carrão importado no campus da USP é um escárnio.
Mas pior, bem pior, é a turma que faz pós-graduação no exterior com dinheiro do governo e depois vai trabalhar em outro país. Deviam ir para a cadeia, esses oportunistas. E terem seus passaportes retidos pela Polícia Federal.
Investir na formação de pesquisadores é uma obrigação do CNPq, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. O Brasil precisa de cientistas, pensadores e doutores qualificados.
A experiência que esses alunos subsidiados adquirem fora pode retornar com lucro. Basta que cumpram a lei e dediquem ao menos três anos dessa qualificação por aqui. É justo. Justíssimo.
Mas alguns picaretas, de caso pensado, contando com a impunidade, mamam nas tetas do povo brasileiro e depois nos mandam uma banana lá do Hemisfério Norte. Ô gente sem educação!
O Tribunal de Contas da União recebeu, só neste ano, 82 processos pedindo que esses batedores de carteira chamados bolsistas nos devolvam o dinheiro investido neles. Somadas todas as pendências, temos cerca de R$ 100 milhões em dívidas a receber desses desertores.
Esses espertinhos provavelmente estudaram de graça em nossas melhores universidades. Que são as públicas, todos sabemos. E muitos, também provavelmente, vêm de famílias ricas. É esse o perfil econômico de nossos universitários de ponta.
Entra governo, sai governo, nenhum quer enfiar o dedo na ferida da cara dessa gente. Preferem investir em políticas de cotas para negros, índios e demais desafortunados. Migalhas.
O filé mignon, como sempre, vai pra mesa do bacana, que come tudo e nem diz obrigado. Ô gente mal educada!

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Globocópia, a gente se revê por aí

Chacrinha já dizia: na TV nada se cria, tudo se copia. O velho era um gênio, criou esse bordão em plena Rede Globo. Logo ela, que sempre se achou a primeira bolacha do pacotinho.
Neste domingo à noite, o Velho Guerreiro teria dado uma buzinada na orelha da Velha Senhora. Vocês querem bacalhau? Pois vejam só.
O programa semanal da Record, Domingo Espetacular, criou, há um ano, um quadro chamado "A Grande Reportagem". Nada mais que uma matéria de fôlego para quem gosta de se aprofundar num assunto.
E não é que a Globo achou bacana? Teresinha! Uhu! Foi espetacular o que vi domingo dentro do Fantástico.
Às 22h54, de boca cheia, Patrícia Poeta chamou a “grande” atração do programa: “Veja agora na Grande Reportagem do Fantástico”.
Alô? Alô? Teresinha? Como assim? Meia hora antes, eu havia assistido na Record à mesma chamada. Igualzinha. Com vinheta e tudo.

Lá se foram no Fantástico 20 minutos de aborto ilegal. Vinte. É mesmo de matar. Fiquei confuso. Quem copia quem? Quando vi o Domingo Espetacular pela primeira vez quase me fizeram acreditar que a Record havia copiado a Globo.
Mas dessa vez não: foi mesmo a Globo que copiou. Na cara dura.
Alô! Alô, Teresinha! Roda! Roda!
Verdade seja dita: quando as outras emissoras copiam a Globo, são tachadas de incapazes, subprodutos, sem ética. Quando a situação se inverte, é uma lição de ousadia. Criatividade.
Alô! Alô, Teresinha! Um minuto pro comercial.
Faz tempo que reportagens do Fantástico não passam de cinco, seis minutos. Mais que isso seria um atentado ao tal padrão de qualidade. Jornalismo Tico e Teco. Bobagem o que pensa o telespectador.
Os sábios ficam olhando as outras emissoras de longe, com aquela cara de tédio. De vez em quando descem do pedestal e vão ver o que o povo está falando nas ruas. Voltam mais enfastiados ainda.
Mas são pagos pra isso. Mesmo que nunca admitam, o mundo não nasceu nos seus umbigos. O que é bem feito merece respeito. O que é bom a gente copia. Faz parte. Pode recopiar. Recopia, vai.
Também dou uma sugestão. Que tal rebatizarem o helicóptero da emissora? Globocópia não seria um nome mais bonitinho? E o slogan? A gente se revê por aqui!
Tem gente que veio para confundir. E não para explicar. O Velho Guerreiro daria boas risadas.

E nem para fazer o Enem o MEC presta?

O que o MEC está fazendo com o Enem é uma avacalhação. Poderia buscar uma palavra mais elegante, tipo descalabro. Mas não ia dar conta. O troço está mesmo indo pro brejo.
O Exame Nacional do Ensino Médio veio para mudar radicalmente a forma de acesso ao ensino superior. Tinha tudo para dar uma pancada na indústria de cursinhos e vestibulares fajutos que pululam por aí.
Mas nem. Depois de ser vergonhosamente fraudado na última edição, agora descobrem que vazaram os dados pessoais de 12 milhões de inscritos no exame.
Credibilidade é tudo. O ministro Fernando Haddad foi reprovado nessa questão. E não foram poucas as alternativas anteriores.
Criar sistemas de avaliação se tornou a única atividade relevante do MEC. Esse tipo de gestão nasceu com o Paulo Renato, era FHC. Nem mérito do PT é. Nem.
E nem podemos ficar parados olhando o MEC fazer de conta que não aconteceu nada de grave. Mais uma lambança dessas e o exame cai em total descrédito.
Ainda aparece um candidato propondo que o Enem passe a ser responsabilidade da Polícia Federal. Com reforço do Exército. Se é para avacalhar, por que não?

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Aprovado fim do 13º !!!


Fim do 13º já foi aprovado na Câmara - falta o Senado  

Enquanto a gente se distrai com Olimpíadas e Copa do Mundo, o Congresso continua votando outros assuntos de nosso interesse e a gente nem percebe.....vejam essa:
Fim do 13º já foi aprovado na Câmara (PFL, PMDB, PPB, PPS, PSDB )
Para conhecimento,
O fim do 13º salário já foi aprovado na Câmara para alteração do art. 618 da CLT.
Já foi aprovado na Câmara e encaminhado para o Senado.
Provavelmente será votado após as eleições, é claro....
A maioria dos deputados federais que estão neste momento tentando aprovar no Senado o Fim do 13º salário, inclusive da  Licença de Férias (pagas em 10 vezes) são do PFL e PSDB.
As próprias mordomias e as vergonhosas ajudas de custo de todo tipo que recebem, eles não cortam.
Conheça a cara dos safados que votaram a favor deste Projeto em todo Brasil. Por favor, repassem para o maior número de pessoas possíveis, afinal eles são candidatos fortes nas próximas eleições:

01- INOCÊNCIO OLIVEIRA - PFL
02- JOEL DE HOLLANDA - PFL
03- JOSÉ MENDONÇA BEZERRA - PFL
04- OSVALDO COELHO - PFL
05- ARMANDO MONTEIRO - PMDB
06- SALATIEL CARVALHO - PMDB
07- PEDRO CORRÊA - PPB
08- RICARDO FIÚZA - PPB
09- SEVERINO CAVALCANTE - PPB
10- CLEMENTINO COELHO - PPS
11- CARLOS BATATA - PSDB
12- JOÃO COLAÇO - PSDB
13- JOSÉ MÚCIO MONTEIRO - PSDB

DIVULGUEM!!!

Agora, enquanto isso, eles distraem a gente com referendos ridículos!!!! !
E, nas votações que realmente importam, não nos cabe participar?? ??
Cadê os caras pintadas???? Povo que derruba presidente?? ????
Gente é hora de acordar antes que seja tarde d+!!!!!!!!!!

NINGUÉM É TÃO FORTE QUANTO TODOS NÓS JUNTOS!!!!!! !!
Divulguem!!! E não fique só reclamando do nosso país!!!!

sábado, 10 de abril de 2010

Não há lugar para amadores no jornalismo

estudantes
Faculdades de Jornalismo jogam mais de 7 mil jovens no mercado todo ano. E costumam ser vistas como inúteis ou desnecessárias.
Há uma boa dose de razão nesse preconceito, alimentado pelas fábricas de diplomas que infestam este país. No coro dos que descem a lenha, muitos empresários de comunicação gostam de dizer que é possível formar um jornalista, dentro de uma redação, em três, quatro meses.
Esses patrões devem saber do que estão falando – mesmo porque pra fazer a porcaria que  muitos deles entregam não é preciso estudar muito: basta uma pitada de puxa-saquismo do poder e um sentimento de superioridade típicos dos que se julgam acima da sociedade que deveriam representar.
O jornalismo brasileiro evoluiu. Não há mais espaço para amadorismo ou truculências (à exceção do Diogo Mainardi e o Reinaldo Azevedo, argh).
Formar opinião é hoje uma atividade profissional e a manutenção do poder demanda requintes de inteligência. Não há mais lugar para amadores.
Difícil é ver nas primeiras páginas, nas capas de revista, nos telejornais da noite, nos programas de rádio, na internet, o verdadeiro rosto da multidão. “A dor da gente não sai no jornal”, ensina o samba popular.
Inquietação, comprometimento, sensibilidade, coragem, capacidade de se indignar, isso ninguém aprende em três, quatro meses. É obra de uma vida inteira.

E os meninos estão apenas começando. Venham!

quinta-feira, 8 de abril de 2010

A cor da pele não torna um miserável melhor que o outro

O Supremo Tribunal Federal vai julgar este ano a constitucionalidade da política de cotas raciais que foi implantada em algumas universidades públicas. O tema é polêmico pra caramba. Mas aposto que vai prevalecer a visão de que o Brasil precisa encontrar mecanismos para compensar os séculos de opressão a negros e índios.
Que somos um país injusto, grande novidade. E bota injustiça nessa história. Somos perversos, isso sim. Nossa concentração de renda é uma ofensa à humanidade. Dizem que melhorou um pouquinho. Não é o que vemos nas ruas. Enfim.
Igualdade é tratar de forma desigual as coisas desiguais. Touché. Esse mandamento marxista é irrepreensível. Não dá para discordar. Todos deviam se guiar por ele.
estudos
Mas temos tantas desigualdades que praticar esse lema é um desafio para toda a nação. Por onde começar? E onde isso vai parar? Some-se o fato de sermos um país miscigenado. Um samba do crioulo doido.
Só tenho a convicção que os desiguais no Brasil têm algo em comum: são pobres. Negros, brancos, mulatos, mamelucos são em sua maioria marginalizados pela pobreza.
Esse deveria ser o ponto. Se devemos ter uma política de cotas, que ela seja por critérios socioeconômicos. Existem (poucos) negros ricos. Eles não precisam de ajuda. Existem milhões de brancos pobres. A cor da pele não pode tornar um miserável melhor que o outro.
Como também sabemos que a maioria dos negros é discriminada economicamente, ela também seria a maioria dos assistidos por essas políticas afirmativas. Simples, não?
Mas falo isso tudo bem baixinho. Tem um monte de racista por aí. Nem adianta argumentar com eles. Já começam a chamar todo mundo de vagabundo e preguiçoso. Duro é quando um pobre pensa assim. Esse que se dane.

EM BOM ESTADO

Nos Estados Unidos, os estados são unidos apenas no nome do país. Na verdade, cada um deles tem leis diferentes e demonstram evidentes sinais de bairrismo.  Uma das formas utilizadas para enaltecer seu território é a exibição de uma espécie de slogan de cada estado, nas placas dos automóveis.


56478482


 Agora, vamos imaginar essa coisa no Brasil... Placas de carro com o slogan dos nossos estados:

* Mato Grosso do Sul: “Bem mais perto que o Mato Grosso”

* Sergipe: “Pelo menos não somos o Piauí”

* São Paulo: “Não há vagas”

* Paraná: “É por aqui que passa a muamba”

* Acre: “Sim, existimos”

* Rondônia: “Longe pa dedéu”

* Minas Gerais: “Muito mais que pão de queijo: tem doce de leite, torresminho...”

* Paraíba: “4 milhões de habitantes e um nome: Severino”

* Rio Grande do Sul: “Terra de macho. Cada um com o seu”

* Bahia: “Meia hora leva um mês”

* Rio de Janeiro: “Paulista aqui é otário”

* Distrito Federal: “Trabalhando duro de terça a quarta”

* Amazonas: “Conheça antes que acabe"

quarta-feira, 3 de março de 2010

terça-feira, 2 de março de 2010

Nariz e Orelhas Nunca Param de Crescer!!!

 O tecido cartilaginoso, que forma o nariz e as orelhas, não deixa de crescer nem mesmo quando o indivíduo torna-se adulto. Daí porque o nariz e as orelhas de um idoso são maiores do que quando era jovem. A face também encolhe porque os músculos da mastigação se atrofiam com a perda dos dentes.